3 aparelhos muito utilizados para pacientes internados

O Monitor ecg é importante para leitura e monitorização do eletrocardiograma que é um exame fundamental nas unidades de terapia, semi intensiva e centro cirúrgico.

O eletrocardiograma é responsável por detectar arritmias e várias outras complicações como: isquemias, alterações do marca-passo e distúrbios eletrolíticos graves.

Para realizar a monitorização eletrocardiográfica é preciso ter apenas três eletrodos; dois desses eletrodos captam a atividade elétrica cardíaca e o terceiro é o eletrodo denominado “terra” no que remove do circuito as correntes elétricas provenientes de outras fontes que não é do coração.

Alguns profissionais preferem a monitorização do exame via o monitor paramétrico com cabo de cinco vias, esses cabos permitem as mais derivações eletrocardiográficas principalmente em cirurgias cardiovasculares.

Quando os eletrodos se posicionam na parede torácica anterior ou lateral precisa ser em lugares que possibilita a obtenção mais nítida possível dentro do padrão eletrocardiográfico, dessa forma, identifica-se mais rápido as arritmias.

Nos casos de cirurgias torácicas, essa monitorização eletrocardiográfica é realizada pelo dorso do paciente.

Ela também pode ser usada em terapias intensivas quando o paciente se coloca em posição de pronada, ou seja, são casos de síndrome respiratória aguda, conhecida com o nome de SARA.

Deve-se padronizar o local de instalação dos eletrodos, pois é importante que as informações que são obtidas de modo mais confiável.

Depois de colocar os eletrodos, se por acaso a captura dos sinais não ocorrer de forma clara, na maioria dos casos.

O aparelhos deve ter tido algum tipo de falha/defeito técnico no qual as principais são amplitude de onda que é de amplitude muito pequena, não permitindo a visualização do ECG (monitor) e a leitura da frequência cardíaca, resultando em valores errados.

E a inversão dos conectores de eletrodos que são conectores em posição invertida que também realiza a leitura errada.

Apesar do monitor ter alterações variadas, possibilitando identificar algumas arritmias, a detecção do ritmo cardíaco e, quando há dúvida sobre uma arritmia, somente é possível esclarecer com um eletrocardiograma completo (ECG de 12 derivações).

O monitor de eletrocardiograma consegue uma prévia do ECG no que mantêm o paciente em uma observação direta, dando o alerta para realizar uma análise mais específica ao ter alguma alteração.

Saiba mais como é o equipamento Ambu

O ambu é um equipamento que tem forma de balão de borracha para reinalação e é conhecido como reanimador manual.

Na sua composição tem alguns materiais como: um balão, uma válvula unidirecional, válvula para reservatório, máscara facial e um reservatório.

Geralmente esse equipamento é fabricado em vinil ou silicone e o mercado disponibiliza ele de várias cores e têm muitos tamanhos diferentes e denominados como Neonato, Infantil e Adulto.

E a sua máscara tem alguns tipos de aplicação como:

  • Prematuro;
  • Infantil;
  • Adolescente;
  • Adulto e adulto grande.

Esse equipamento é um balão de ventilação, ou seja, tem a funcionalidade principal de reproduzir uma ventilação artificial enviando ar comprimido ou enriquecido de oxigênio aos pulmões.

Esse equipamento pode ser usado nas seguintes situações: parada respiratória, asfixia, afogamento, infarto e qualquer síncope que leve a pessoa/ paciente ter uma parada cardiorrespiratória.

O Ambu somente pode ser aplicado depois das compressões torácicas auxiliando na ventilação.

Ele também é muito utilizado em casos de resgate e de primeiros socorros, pois é um item indispensável e muito presente nas UTIs e salas de emergências.

Cuidados com o aspirador de vácuo hospitalar

Aspirador para rede canalizada de vácuo tem a função principal de auxiliar na aspiração de secreções, seu frasco utiliza um sistema chamado “venturi” no qual cria-se um vácuo a partir da passagem do oxigênio com alta pressão.

Ele é frequentemente usado em rede de oxigênio ou no cilindro de oxigênio, auxiliando em terapia realizada em assistência domiciliar.

Esse aspirador a vácuo hospitalar tem alguns aspectos em sua composição: frasco de vidro; autoclavável; frasco com indicação de níveis; capacidade de 500 ml; tampa em polipropileno ou Nylon; bóia em polipropileno evitando transbordamento; conexões conforme normas ABNT.

Antes de usá-lo, o ideal é verificar algumas características como se ele está limpo corretamente; se o gás inserido no frasco de vidro é o mesmo recomendado no aspirador.

Antes de operá-lo tenha certeza de que não tem graxa, óleo ou quaisquer substâncias orgânicas que podem prejudicar o oxigênio, para isso é necessário estar com as mãos limpas.

Faça a desobstrução dos conectores de saída e entrada; o volante do aspirador é girado no sentido contrário para destravá-lo.

Conecte o aspirador no posto medicinal ou no regulador cilindro, efetue de maneira firme, bem posicionado e se o frasco está bem conectado com a sonda.

Atende-se ao volume da sucção da secreção ou elemento aspirado e que não exceda o nível máximo do frasco.

Descarte a secreção de modo correto e em local apropriado, não gerando risco de contaminação ou infecção para outras pessoas e profissionais da saúde.

Antes de usá-lo novamente limpe-o de forma correta e,se precisar, esterilize-o, também pode ser esterilizado em autoclave.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *